quinta-feira, 23 de junho de 2016

Vida de goleiro nunca foi fácil

No momento em que se questiona tanto a safra dos goleiros brasileiros, dois grandes clubes passam por situações distintas em relação aos seus arqueiros.

Por um lado temos o Denis, do São Paulo, que encara um dos maiores desafios do futebol brasileiro atual: ser o sucessor de Rogério Ceni, o maior ídolo do clube de todos os tempos.

Por outro lado, Cássio, do Corinthians, que perdeu espaço para o então reserva Walter após cair de produção e que agora tem de correr atrás do prejuízo em sua carreira.

Vamos por parte.

No final do ano passado, quando Rogério Ceni foi a público anunciar sua aposentadoria, muitos se perguntaram: Quem será o substituto do Mito?

Falou-se muito sobre contratações de peso para a posição, porém boa parte da torcida acreditava no desempenho de Denis para o posto.

O próprio Rogério Ceni foi cabo eleitoral do jovem goleiro, que se mostrava preparado tecnicamente. Em plena condição física, o então camisa 12 havia superado uma cirurgia no ombro direito e só lhe restava a chance de assumir de vez a camisa 1.

A esperada chance chegou e tudo tinha para dar muito certo, não fosse a má fase que a equipe enfrentava no início de temporada - o Tricolor fez um campeonato Paulista mediano e um início de Libertadores desastroso, por pouco não ficou de fora das oitavas de final da competição.

É bem verdade que Denis andou falhando em alguns lances importantes, mas na maioria dos gols sofridos em que foi massacrado pela torcida são-paulina o goleiro não teve a menor culpa.

Que fique claro que não sou defensor absoluto de Denis e nem estou aqui tentando dizer que ele é o melhor ou o pior goleiro para o São Paulo. Apenas acho que a torcida precisava encontrar um culpado e nada melhor que esse cara fosse o goleiro, o "indivíduo" que, na ilusória visão da maioria, deveria no mínimo ser igual a Ceni - o que é uma loucura. Dessa forma Denis passou a ser perseguido durante longo tempo.

Atualmente a situação está mais controlada, mas não finalizada. Ainda vejo comentários absurdos sobre a atuação dele. Ontem, na partida contra o Flamengo, Denis teve uma atuação muito boa. Foi preciso em defesas que evitaram a derrota Tricolor e não teve nenhuma culpa nos dois gols que sofreu.

Já com o goleirão Cássio a história foi um pouco diferente, mas não menos negativa.

Em nenhum momento o desempenho do camisa 12 alvinegro foi contestado pela torcida corintiana. Pelo contrário. Mesmo sabendo que Cássio já não tinha o mesmo condicionamento físico e sua produção estava em decadência, a torcida continuou ao seu lado.

O fato é que no futebol tem que jogar quem está melhor. E neste momento, Walter está muito mais preparado para atuar com a camisa do timão.

O preparador de goleiros, responsável por condicionar (físico e tecnicamente) os atletas, tem a palavra final para indicar quem é o seu melhor "aluno". Obviamente cabe ao treinador escala-lo ou não.

Mas Cássio parece não aceitar o fato de que a culpa por hoje estar esquentando o banco de reservas é exclusivamente dele.

Depende apenas dele ser um "aluno" aplicado ou não. Depende apenas dele controlar seu peso. Depende apenas dele recuperar sua velocidade e agilidade. Depende apenas dele mostrar seu interesse em querer ser o titular absoluto.

Ou seja, não pegou nada bem para Cássio tentar jogar a culpa do seu descontentamento como atleta para cima do preparador de goleiros Mauri Lima, que por sinal é um excelente profissional.

A situação de Cássio agora parece insustentável. Creio que não haja mais clima para ele continuar como atleta do Corinthians e acredito que o melhor cenário para ambos seria uma negociação com algum outro clube de grande porte. 

Com certeza Cássio é um goleiro de muito potencial. Aliás, potencial para leva-lo à seleção brasileira - principalmente agora com Tite no comando canarinho. Porém falta mais vontade, mais ambição, mais "sangue nos olhos".

Na partida de ontem, contra o Botafogo (RJ), Cássio foi o titular da partida, já que Walter está machucado e não pôde ir à campo.

E há quem vá discordar, mas achei que o arqueiro corintiano falhou no gol de Leandrinho, aos 27 minutos do primeiro tempo. Com 1,96 metro de altura, não poderia ter aceitado uma bola pelo alto que praticamente passou pelas suas mãos.


Um ato de displicência que custou um gol. Sorte a dele que o timão venceu a partida (3 a 1). 

Siga-me nas redes sociais:
Instagran: ferichter01

*Texto escrito para o site Voa Goleiro

Um comentário:

Verinha disse...

Puxa, muito bem explicado o que é ser goleiro. Muito bom Fe.