sábado, 30 de outubro de 2010

Raposa encosta no líder e Galo volta ao Z-4

Agora faltam apenas 6 rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro de 2010.

Nas primeiras posições as coisas embolaram de vez. O Fluminense é o líder com 57 pontos, mas tem o Cruzeiro na sua cola. A equipe mineira não teve o menor problema para bater o Grêmio Prudente hoje, no Prudentão. Com os três pontos conquistados, chegou aos mesmos 57 pontos do Flu, porém os cariocas ocupam a ponta devido ao saldo de gols.

Mas jogo bom mesmo foi entre Internacional e Santos, no Beira-Rio. Uma partida cujo resultado mostrou o forte equilíbrio. Os gols saíram somente no segundo tempo de jogo. Primeiro com Zé Eduardo, para o Santos. O gol de empate do Inter veio com o cabeceio certeiro de Leandro Damião. Foi um  jogo bonito e movimentado. Porém, estrategicamente para as duas equipes o resultado não agradou.

Edno comemora o 1º gol contra o Galo
E não agradou porque em Minas Gerais o Botafogo atropelou o Atlético-MG e entrou de vez no G-4. Para ser sincero, foi, na minha opinião, a melhor partida da rodada. Principalmente no segundo tempo quando o Galo massacrava os visitantes. Tanta pressão e nada. E o ditado é sábio: "Quem não faz, toma!". Num contra-ataque fulminante, Loco Abreu deixa Edno na cara do gol para abrir o placar. 

Desesperado o Galo arriscou todas as suas forças, mas o Fogão, muito bem postado no meio de campo, com uma marcação extremamente forte, ampliou o marcador com um belo gol de "El Loco". Final: 2 a 0. A derrota coloca o Galo novamente na zona de rebaixamento.

Para concluir a rodada de número 32, o Palmeiras venceu o Goiás por 3 a 2, o Vitória massacrou o Vasco por 4 a 2 e o Avaí ganhou do Guarani por um simples 1 a 0.

O Botafogo, quarto colocado, ainda tem chance de título. Em relação à Libertadores, São Paulo, Atlético-PR, Grêmio e Palmeiras ainda sonham com uma vaga. 

A competição é boa. Está disputada e com certeza só teremos todas as definições na última rodada. Exceto as definições do rebaixamento. Creio cegamente que G. Prudente, Goiás e Avaí já estejam mortos!

50 anos do Gênio

 
Um craque, uma fera, um mito, um dos maiores jogadores do mundo, de todos os tempos, enfim, um Deus (para os argentinos). Estou falando de Diego Armando Maradona, que completa hoje 50 anos de idade.

Sobre esse ídolo, que dispensa qualquer comentário, prefiro apenas deixar o meus parabéns, já que qualquer palavra que eu disser será pouco para homenagear Maradona.

E é por isso que aqui indico esse vídeo maravilhoso do mito argentino:


http://www.youtube.com/watch?v=vaSMIatx9_A&feature=related

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Às vezes, "mesmo certo ele erra"

Foto: Gazeta Press
O garoto Neymar nem teve tempo para comemorar sua convocação à Seleção Brasileira, que aconteceu hoje de manhã. No treino do Santos, o atacante arrumou mais uma confusão e deixou o gramado enfurecido.

Como de costume na Vila Belmiro em dias de aniversário, Zé Eduardo foi amarrado em uma das traves e bombardeado com ovos, farinha e boladas.

Marcel usou força desnecessária sobre Zé Eduardo e acabou extrapolando na brincadeira. Neymar não gostou e resolveu tomar as dores do colega. Aí, foi a vez de Marcel não gostar da intervenção de Neymar e resolveu partir para cima do garoto.

Tendo ou não razão, está mais do que na hora dele (Neymar) pensar um pouco como adulto e tentar conter seus impulsos.

É claro que ninguém tem sangue de barata. Mas Neymar não pode cair em provocações bestas e colocar seu futuro em risco.

E se Mano resolver não chamá-lo mais devido a tantas confusões que envolvem seu nome? 

Ahh, Neymar... Cuidado, garoto!

Eles vão encarar os Hermanos...

Sai a lista de Mano Menezes dos convocados para o jogo da seleção Brasileira contra a Argentina.

A novidade é a volta de Ronaldinho Gaúcho à equipe canarinho. Em alta no Milan, o ex-gremista terá nova chance de mostrar o futebol que tanto encantou o torcedor brasileiro.

O ataque me agrada bastante. Além de Robinho, Neymar e Pato também foram chamados pelo treinador.

Já o goleiro Júlio César, o zagueiro Lúcio e o lateral Maicon, não estarão no amistoso. Segundo Mano, ele já conhece o potencial de cada um desses atletas. Esperamos que isso não seja apenas um forma dele (Mano), aos poucos, deixar os três guerreiros de canto.

Quem realmente não deve ter gostado nenhum pouco foi o Corinthians. Na reta final do Brasileirão e disputando o título da competição, Jucilei e Elias estarão presentes no amistoso.

O que realmente me espanta é saber que Sandro faz parte dos convocados e Hernanes, que vive uma fase maravilhosa na Lázio, não passou nem perto da lista. Estranho... Muito estranho...

Veja a lista completa dos convocados:

GOLEIROS

Victor  (Grêmio)
Jefferson (Botafogo)
Neto (Atlético-PR)
 
LATERAIS

Rafael  (Manchester United-ING)
Daniel Alves (Barcelona-ESP)
André Santos (Fenerbahçe-TUR)
Adriano (Barcelona-ESP)

ZAGUEIROS

Réver (Atlético-MG)
Thiago Silva (Milan-ITA)
David Luiz (Benfica-POR)
Alex Costa (Chelsea-ING)

VOLANTES

Elias  (Corinthians)
Lucas (Liverpool-ING)
Sandro (Tottenham-ING)
Ramires (Chelsea-ING)

MEIAS

Douglas  (Grêmio)
Ronaldinho Gaúcho (Milan-ITA)
Jucilei (Corinthians)
Philippe Coutinho (Internazionale-ITA)

ATACANTES

Neymar  (Santos)
Robinho (Milan-ITA)
Alexandre Pato (Milan-ITA)
André (Dínamo de Kiev-UCR)

Furacão atropelado

O São Paulo simplesmente atropelou o Atlético-PR, ontem, na Arena Barueri, e encostou de vez no G-4.

A partida terminou em 2 a 1 para a equipe paulista, porém o resultado, por sinal injusto, não condiz com o que se viu dentro de campo.

O Tricolor foi arrasador do começo ao fim. Talvez tenha faltado um pouco de sorte para a equipe comandada por Carpegiani ampliar o placar e fazer a torcida delirar. Em contrapartida, o clube paranaense mal viu a cor da bola. Sofreu forte marcação de Rodrigo Souto, Carlinhos Paraíba e Casemiro.  Aliás, o Furacão só chegou ao seu único gol na partida devido a uma falha individual do volante Casemiro.

Mas no começo da segunda etapa, Dagoberto, que mais uma vez mostrou serviço nessa nova formação são-paulina, cobrou falta com perfeição na cabeça de Miranda que apenas escorou para marcar o gol da vitória.

E isso prova o quanto a mão de um treinador faz toda diferença. Dagoberto sempre foi mal aproveitado por Muricy, Ricardo Gomes e Baresi. Mas com Carpegiani a história é outra. O atacante ganhou a confiança do técnico e está jogando muito.

Por falar em Carpegiani, a chegada do novo treinador trouxe bons frutos ao elenco que, até o momento, tem um desempenho bastante positivo: foram quatro vitórias (2 a 0 no Vitória, 3 a 2 no Grêmio Prudente, 4 a 3 no Santos e 2 a 1 no Atlético-PR) e uma derrota (2 a 0 para o Ceará) sob seu comando.

Mas o maior adversário do São Paulo tem sido a arbitragem. Ontem, mais uma vez, o árbitro da partida não assinalou um pênalti claríssimo a favor do Tricolor. É fato que a arbitragem brasileira é péssima. Isso é indiscutível. Mas está cada vez mais evidente que há certa "marcação" em cima do Tricolor paulista.

Enfim, o que vale ressaltar é que a vitória o levou aos 47 pontos na tabela, subindo para a sétima colocação. Ou seja, um ponto atrás da zona de classificação à Taça Libertadores da América de 2011. Segundo o goleiro Rogério Ceni, que ontem completou 700 jogos com capitão da equipe, "temos essa quarta vaga para disputar. Teremos confrontos diretos nas próximas rodadas e precisamos ganhar". Eu, particularmente, acho que, se vencer o próximo jogo contra o Cruzeiro, a chance de conquistar a vaga é grande.

domingo, 24 de outubro de 2010

A rodada dos clássicos importantes

Uma rodada recheada de clássicos.

O primeiro foi entre Palmeiras e Corinthians, às 16h, no Pacaembu. O Timão estreou o novo treinador, o Tite, e saiu vitorioso. Jogou melhor que o rival e, com um gol de Bruno Cézar, mntendo-se na terceira colocação na tabela. Porém diminuiu a diferença para os primeiros colocados e segue fortíssimo na briga ao título.

O São Paulo foi a Fortaleza encarar o Ceará e levou uma surra. Perdeu de 2 a 0 debaixo de um tremendo sol nordestino (que não adota o horário de verão), o que não foi desculpa pela má atuação dentro de campo. A sorte da equipe paulista é que outros clubes também não venceram e com isso se manteve na nona colocação.
No jogo dos desesperados, o Goiás bateu o Avaí por 1 a 0, no Serra Dourada, mas ainda continua amargando a zona de rebaixamento. Devem cair para a segundona.

Na Arena da Baixada, o Atlético-PR recebeu o Fluminense. Abriu o placar, com um gol contra de Washington, que não balança as redes para o Flu há 7 jogos, sofreu o empate, depois voltou a ficar na frente, mas novamente cedeu o empate. A partida terminou em 2 a 2. O resultado colocou o tricolor carioca na liderança.

Mas a rodada realmente pegou fogo às 18h30, com mais três clássicos fantásticos.
No Engenhão, o Vasco saiu na frente do Flamengo, mas a equipe carioca lutou e buscou o empate. Terminou num magro 1 a 1. Para o Flamengo, que possui 38 pontos e ocupa a décima terceira colocação, as chances de uma possível classificação à Libertadores estão cada vez mais longe. Mas para o Vasco a situação não é tão diferente. Com 42 pontos, está uma posição acima do arqui-rival. Libertadores é um sonho pra lá de distante aos dois clubes cariocas.

No olímpico, um jogaço: O Grêmio abriu o placar, o Inter empatou. logo em seguida, gol do Grêmio novamente, mas o Inter não deixou por isso mesmo. Voltou a igualar o placar. Fim de jogo. 2 a 2.  O Colorado, com 48 pontos, continua na quinta colocação. Já o Grêmio, perdeu a chance de encostar na zona de classificação para a Libertadores e disputar de vez uma vaga. Poderia ter ido a 50 pontos e entraria inclusive na briga pelo título. Vacilou...

Aliás, quem realmente vacilou foi o Cruzeiro, até então líder da competição. No clássico contra o Atlético-MG, perdeu por 4 a 3 numa partida que não faltou emoção. O Galo vencia por 4 a 1 e a Raposa encostou. A derrota para o rival tirou a liderança da competição que agora pertence, novamente, ao Fluminense.

Para fechar a rodada, o Santos deu um verdadeiro vexame dentro de casa. Vencia o lanterna Grêmio Prudente, por 2 a 0, mas deixou os visitantes virarem de forma surpreendente. A partida terminou em 3 a 2 para o Grêmio P.Vale lembrar que Neymar, o craque do time, o garoto cujo muitos "torcedores" o consideram mais que Pelé (um absurdo sem limites), perdeu a chance de empatar a partida. Cobrou mal um pênalti, mandando a bola para a torcida depois de explodir no travessão. Que fase!

Veja a tabela ao lado e aconpanhe a acirrada disputa nas duas pontas da competição.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Roberto Carlos não mentiu: "foi um Mundialito"

Mais uma polêmica envolvendo o contestado título do Corinthians de 2000.

Roberto Carlos, lateral-esquerdo do Corinthians, disse em entrevista ao programa Bola da Vez, da ESPN, que o Mundial de Clube da Fifa, tão enaltecido pelos torcedores corintianos, não passou de um "mundialito".

"Era um Mundialito. Mas, sinceramente, muitos jogadores do nosso time ficavam acordados até as 5h, 6h. O pessoal não dormiu, muitos vieram a passeio", disse Roberto.

A repercussão foi imediata. Muitos entenderam que Roberto Carlos menosprezou e desmereceu o título conquistado pelo Timão.

Na entrevista, Roberto confessou que as equipes europeias, principalmente o Real Madrid, no qual fazia parte do elenco, não deram tanta importância ao torneio conquistado pelo Corinthians.

"Além do mais, os times europeus enfrentaram um tremendo calor. O pessoal do Manchester United não saia da piscina lá no Rio", explicou o lateral.

Como atualmente RC atua no timão, as declarações o lavaram a um verdadeiro bombardeio de críticas. O que na minha humilde opinião é uma verdadeira ignorância. Afinal de contas, não acho que Roberto tenha desmerecido "o título do Corinthians", mas sim um torneio que, só pela sua organização e critério de seleção das equipes (algumas sim tiveram méritos para participar), não passou sequer credibilidade.

Mais uma vez ressalto que, para um clube brasileiro disputar um campeonato mundial, vencer a Libertadores da América é absolutamente indispensável.

Se há uma mancha nesse título, a culpa não é do Roberto Carlos, que nada mais fez do que ser sincero em suas sobre algo que é mais do evidente. Talvez também não seja culpa do Corinthians, não sei. O fato é que o Mundial de 2000 provou a forte posição política que atua nos bastidores do futebol.

O Corinthians não poderia, jamais, disputar esse torneio, mas houve, dentre outros interesses, uma necessidade de promover a competição. E ter uma equipe cuja sua torcida representa mais de 13% dos torcedores (em torno de 25 milhões de corintianos) no Brasil, seria mais do que interessante aos cofres dos envolvidos.

Raciocinando em cima dessa lógica, sem dúvida a vontade dos organizadores era ter o Flamengo na competição, pois assim aumentaria ainda mais a renda de público e de audiência na TV aberta. Porém seria muita cara-de-pau caso o clube carioca participasse sem ter conquistado nada, embora o título de campeão Brasileiro do Corinthians, naquela época, não o torne mais merecedor de representar o País do que qualquer outro clube.

Enfim... Essa imagem terrível só será apagada da história do Corinthians quando o clube definitivamente conquistar sua primeira Libertadores e, consequentemente, o Mundial da Fifa. Já para o futebol, essa mancha jamais será apagada.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

70 anos do Rei

O aniversariante de hoje não poderia, de forma alguma, passar batido. Mesmo porque ele foi, simplesmente, o maior jogador de futebol de todos os tempos. Embora não seja hunanimidade, já que há quem diga o contrário, ele carrega até hoje a coroa de Rei do Futebol. Sim, estou falando de Édson Arantes do Nascimento, o Pelé, que há 70 anos nascia na humilde cidade de Três Corações, em Minas Gerais.

Há também muitas contestações sobre Pelé fora dos gramados, mas estou me referindo a ele como jogador, por tudo que fez vestindo a camisa do Santos e, principalmente, da nossa Seleção Brasileira. Portanto, Parabéns ao maior astro do esporte bretão. Parabéns a Pelé.


Fielzão ameaçado

O estádio do Corinthians, o tal Fielzão, pode nem sair do papel.

Segundo o comitê paulista, se o estádio do Timão não for ser sede de abertura da Copa de 2014, o sonho corintiano de ter o seu próprio estádio pode mais uma vez ser desmoronado.

Para sediar a abertura, o Corinthians precisaria arrumar mais dinheiro, porém, nem o clube e nem os envolvidos nesta questão (Fifa, Governo, Odebredcht) querem assumir essa encrenca.

Se não for abertura, o estádio fica fora da Copa. E, se ficar fora da Copa, o clube não teria mais acesso à linha especial de crédito do BNDES. Sendo assim, o estádio realmente não seria construído.

Nesse caso, a esperança seria acreditar no ótimo relacionamento entre Andrés Sanches, presidente do Timão, Ricardo Teixeira, presidente da CBF, e Lula, presidente da República.

Enquanto isso, lá no Morumbi, o Sr. Juvenal Juvêncio não perde uma chance de criticar o projeto do Timão. Andou, como sempre, falando pelos cotovelos e disse que o Fielzão é inviável.

Embora todos saibam que sua revolta é de se compreender, já que o São Paulo foi "garfado" nessa história de sediar Copa do Mundo, o cartola tricolor está usando a tática errada. O melhor seria continuar com as reformas no Morumbi, de boca calada, porque essa Copa ainda vai bater na porta do São Paulo.

E também já está cansando essa briguinha de criança mimada entre Juvenal e Andrés.
Foto: www.byguedex.com.br

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Tite "oficialmente" do timão

Foto:GloboEsporte.com
Agora é pra valer. O gaúcho Tite foi apresentado nesta tarde de quarta-feira, no CT Joaquim Grava, no Parque Ecológico. Para o novo técnico, a missão é de fazer o Corinthians conquistar o Campeonato Brasileiro, que neste momento ocupa a terceira colocação, para salvar o ano do Centenário.

Em sua primeira entrevista coletiva, o discurso é de recuperar a força que a equipe tinha no início da competição nacional já na próxima partida, contra o arqui-rival Palmeiras. "Pode ser nesse jogo, de enorme grandeza", disse.

Claro que um técnico de nome como Tite tem que chegar e dizer palavras que levantem a auto-estima de seus atletas e animem a torcida. Mesmo porque, a cobrança, caso ele não vença o clássico, será menor, já que haverá a desculpa de ser sua primeira partida.

Por outro lado, se vencer, a confiança entre jogadores e comissão técnica aumenta, e uma arrancada na competição pode ser certa. O São Paulo, com a chegada de Capergiani, é um claro exemplo disso.


Violência: Não é só no Brasil

Goleiro Martin sendo atendido pelo médico do clube
Para provar que não é só no Brasil que há ineficiência de estrutura nos estádios e vândalos infiltrados nas arquibancadas, ontem, na Argentina, torcedores do Independiente atiraram um objeto em Martin Silva, goleiro do Defensor - URU, em partida válida pela Copa Sul-Americana.

Por incrível que pareça, a equipe pelo qual o agressor torce, vencia a partida por 3 a 1 e garantia a classificação para a próxima fase da competição. Ou seja, isso só caracteriza que há torcedores que vão para o estádio no intuito de arrumar confusão. Não que cometer um ato desses quando seu time está perdendo seja algo correto. Pelo contrário. Acho até que um cidadão desses deveria ir para a cadeia. Mas se torna ainda mais inadmissível nessas condições, quando clube está ganhando. Não dá para entender.

E mais, o tal objeto partiu da tribuna e tudo indica que tenha sido algum sócio do clube. Se isso for confirmado, o torcedor será "apenas" expulso da agremiação.

Pablo Repetto, técnico do Defensor, pedia, e com razão, a interrupção da partida, já que o estádio não conseguiu, com seus recursos de câmeras e segurança, identificar o autor do ato. "Acertaram a cabeça dele (Martin). Tem que terminar a partida. Com o golpe que recebeu, com o sangue que perdeu, sairemos prejudicados – reclamou Repetto.

A partida não foi paralisada, o agressor ainda não foi identificado, o Independiente se classificou e, ao Defensor, restaram alguns pontos na cabeça de seu arqueiro e uma petição enviada à Conmebol para tentar suspender o árbitro que não quis interromper a partida. Por sinal, esse árbitro é o brasileiro Wilson Seneme.

Por isso sou a favor da lei que pune judicialmente, respondendo por crime, o torcedor que comete um ato de vandalismo dentro de um estádio de futebol. Poe ordem na casa e evita "dores de cabeça".


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Novamente "G4"? Será?

A Conmebol voltou atrás e, novamente, o Brasileirão classificará quatro equipes para a Libertadores de 2011, mas há um "porém": A vaga só será mantida caso uma das equipes brasileiras (Atlético Mineiro, Avaí, Goiás ou Palmeiras) não conquistem a Copa Sul-Americana que está em curso.

Ou seja, é um verdadeiro engana-trouxa. Já o jornalista Juca Kfouri prefere chamar a situação de "tirar o bode". Veja o texto que ele escreveu em seu blog:

Conmbebol tira o bode da sala
Por Juca Kfouri no Blog do Juca

Sem aviso prévio, sem discussão, sem choro nem vela, a Confederação Sul-Americana de Futebol transformou o G4 do Campeonato Brasileiro em G3, diminuindo as vagas da Libertadores aos primeiros do Brasileirão.

Ontem, em Assunção, no Paraguai, voltou atrás.
Quer dizer, voltou meio atrás, tirou o bode que tinha posto na sala até nova ordem.
A nova ordem é a possível conquista de um time brasileiro da Copa Sul-Americana, que está em curso.
Atlético Mineiro, Avaí, Goiás e Palmeiras podem vencê-la e se isso acontecer o Brasileirão voltará a classificar apenas três brasileiros, porque a Copa Sul-Americana dá uma vaga na Libertadores.
Copa Sul-Americana que só será decidida depois do fim do Campeonato Brasileiro.
O que faz o palmeirense, por exemplo, sonhar com a seguinte hipótese, bem possível, por sinal: o Corinthians termina o Brasileirão em quarto lugar e o Palmeiras, três dias depois, ganha a Sul-Americana para ficar com a vaga do rival.
Já imaginou a situação?
Maldade pouca é bobagem.

domingo, 17 de outubro de 2010

Com gol nos acrescimos, São Paulo bate o Santos

Há tempos eu não assistia a um "clássico" realmente digno de "clássico".
São Paulo e Santos se enfrentaram no Morumbi e proporcionaram um espetáculo de sete gols. Foi o quinto encontro entre as duas equipes na temporada de 2010, porém dessa vez deu Tricolor. A equipe comandada por Paulo César Carpegiani virou para cima dos visitantes e venceu por 4 a 3, numa partida pra lá de eletrizante.

E não é exagero. Logo aos 2 minutos de bola rolando, o atacante são-paulino Ricardo Oliveira arriscou um chute de fora da área e por pouco não abriu o placar. Isso não foi nada. Dois minutos após o ataque tricolor, Alan Patrick teve uma chance incrível e, diferentemente do são-paulino que ficou no "quase", abriu o marcador com um belo gol. (1 a 0 para o Santos)

Enganaram-se aqueles que esperavam um jogo truncado como geralmente são os clássicos. As duas equipes apostaram na velocidade de seus jogadores e na formação ofensiva. Para se ter ideia, o São Paulo entrou em campo postado com quatro atacantes. Isso é que é coragem.

Aos seis minutos, Dagoberto, que ganhou total confiança do novo treinador, resolveu mostrar serviço e empatou a partida depois de um desvio inteligente de Ricardo Oliveira. 

Nesse momento, o equilíbrio tomou conta da partida. Para cada ataque do São Paulo, um contra-ataque do Santos, e vice-versa. Um jogo de tirar o fôlego que somente o detalhe faria a diferença. E foi nessa toada que Dagoberto virou para o Tricolor do Morumbi. Fernandinho iniciou o contra-golpe em velocidade, tocou para Ricardo Oliveira que percebeu Dagol livre para marcar o segundo dele na partida.

E o São Paulo não parou. Eficientemente nas saídas em velocidade, a equipe de Carpegiani chegou ao terceiro gol numa jogada individual de Dagoberto que, ao ameaçar um chute ao gol de Rafael, Pará tentou interceptá-lo, mas acabou mandando a bola na gaveta (contra). O São Paulo abria 3 a 1 sobre o Santos aos 18 minutos. Explosão na torcida são-paulina.

Mas futebol é fantástico e essa partida estava predestinada ao espetáculo. Menos de um minuto após o terceiro gol tricolor, Zé Eduardo diminui para o Santos numa jogada bem trabalhada da equipe praiana.

Sim, foram três gols em apenas pouco mais de três minutos. Incrível.
O Segundo tempo começou em ritmo mais cauteloso. O São Paulo já não tinha mais o jovem Lucas, que foi substituído no intervalo devido a uma lesão em seu joelho. Em seu lugar, Carpegiani resolveu colocar um zagueiro para fortalecer o sistema defensivo e tentar jogar apenas nos contra-ataques. Sendo assim, o Santos passou a pressionar os donos da casa.

As coisas começaram a ficar mais difíceis para o São Paulo quando Richarlyson, sempre ele, foi expulso aos 12 minutos da etapa complementar por aplicar uma tesoura no jogador santista, numa bola que parecia fora de campo, na lateral esquerda. Uma atitude "juvenil", imatura e, principalmente, irresponsável do lateral-esquerdo são-paulino. Aliás, está mais do que na hora de o São Paulo punir esse atleta que sempre deixa a equipe fragilizada com expulsões desnecessárias.

Com um a menos, a tendência era o Santos pressionar o São Paulo em seu campo de defesa até chegar ao empate. Foi o que aconteceu. Aos 26 minutos, Neymar tenta o drible sobre Alex Silva e cai. O árbitro marca pênalti e ele mesmo, Neymar, cobra a penalidade, empatando novamente o jogo.

Ao contrário do que estávamos acostumas a ver esse time do São Paulo fazer nesta temporada, a equipe não se acomodou e buscou o gol da vitória. Teve duas incríveis chances de definir o placar, as duas com o lateral Jean, mas, ninguém sabe lá como, o são-paulino desperdiçou.

Dagoberto cansou e Carpegiani colocou Marlos em seu lugar. A substituição deu certo. Nos acréscimos, aos 47 minutos, Marlos cruzou da direita para dentro da área, Ricardo Oliveira cabeceou e o goleiro Rafael fez uma linda defesa, mas Jean, o mesmo que minutos atrás havia perdido dois gols feitos, dessa vez cabeceou com firmeza para fazer o quarto do Tricolor. O gol da Vitória. O gol que o redimiu na partida.

Foi um jogo que mereceu aplausos, pois as duas equipes mostraram um futebol alegre, para frente, limpo. Digno de um verdadeiro San-São. 

Corinthians e Guarani empatam num jogo pra lá de horrível

Muito fácil resumir como foi o jogo entre Guarani e Corinthians no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, que acabou há poucos minutos. O placar foi exatamente a nota que as duas equipes mereceram: 0 a 0.

A expectativa pela volta do Ronaldo foi enorme, porém o jogador mostrou que realmente o fim está próximo. Ainda fisicamente gordo e sem agilidade, o fenômeno perdeu duas boas chances de gol no segundo tempo. Uma delas, de cabeça, de forma inacreditável.

O Corinthians teve dois gols mal-anulados, mas isso não quer dizer que o timão tenha sido propositalmente prejudicado. Pelo contrário. O lance foi tão difícil que até para nós, que estamos assistindo pela televisão, com todos os recursos que a tecnologia nos proporciona, a dúvida demorou a ser esclarecida.

A equipe do Guarani também teve lá seus momentos em que poderia ter construído alguma jogada que levasse ao gol, porém a equipe é muito, mas muito fraca mesmo. 

Técnica e taticamente as duas equipes foram um vexame. Deu dó de quem pagou para assistir ao vivo.

Se há três jogos eu dizia que o pior jogo que tinha visto nessa competição tinha sido entre Avaí e São Paulo, digo agora que Guarani e Corinthians ficou no mínimo no mesmo patamar. Parecia um jogo de várzea.

A notícia boa para o torcedor corintiano é que Tite é o novo técnico da equipe alvinegra. Andrés Sanches acaba de confirmar a contratação. 

Mas esse empate ofuscado foi bom para mostrar ao torcedor e à mídia esportiva que tanto bajula Ronaldo, que ele, o fenômeno, é apenas uma andorinha. E como diz o ditado popular, "uma andorinha só não faz verão".

Mais um San-São no ano

Lucas e Neymar: os dois craques do clássico
Pela quinta vez no ano Santos e São Paulo se enfrentam. Nas quatro últimas vezes em que as equipes duelaram o Santos levou a melhor: venceu todas sobre o rival.

Duas equipes cujas propostas são totalmente diferentes devido à situação em que se encontram na tabela da competição:

O São Paulo, que fez uma campanha péssima durante o ano inteiro, está em fase de recuperação. Ocupa a 10ª colocação e busca uma vitória diante do rival para continuar sonhando com uma vaga na taça Libertadores da América de 2011.

Paulo César Carpegiani, que chegou à equipe há exatos 2 jogos (esse será o terceiro no comando tricolor), mudou o jeito da equipe se postar dentro de campo e o elenco parece ter entendido o recado.

Venceu o Vitória por 2 a 0, no Murumbi, e bateu o Grêmio Prudente por 3 a 2, no Prudentão. Com esses seis pontos conquistados, o tricolor atingiu os 41 pontos e pelo menos conseguiu se manter na 10ª posição.

Para chegar à Libertadores terá de torcer por tropeços de vários clubes, inclusive do Santos. A situação não é favorável e a missão é mais do que complicada. Mas como disse Carpegiani logo que chegou ao São Paulo, "não garanto nada em relação à Libertadores, apenas lutaremos para terminar o campeonato de forma digna".

Já o Santos vive um momento bem mais tranquilo. Na última partida bateu o Internacional e, com 48 pontos, ocupa a quarta colocação na tabela. Caso vença o São Paulo, continuará na briga pelo título que o levaria à tríplice coroa.

Se analisarmos os retrospectos, obviamente diríamos que o favoritismo está ao lado da equipe da Vila Belmiro. Porém, se tratando de um clássico, prefiro dizer que veremos um grande jogo no qual vencerá a equipe que menos errar.

Nem mesmo o fenômeno escapou

De volta à realidade...
Mais magro e pronto para jogar, Ronaldo também vira alvo de torcedores revoltados

Não bastasse o protesto na última sexta-feira, que aconteceu no CT de Itaquera, a torcida corintiana foi ao Parque São Jorge neste sábado e voltou a criticar os jogadores do clube. Ne mesmo Ronaldo, considerado pelos alvinegros um dos maiores ídolos de todos os tempos, escapou dos xingamentos.

O Fenômeno não gostou do que ouviu durante o treinamento e disse, horas mais tarde em seu twitter, que está na hora do torcedor ser um pouco mais civilizado. Acho que Ronaldo realmente não conhece nada de futebol brasileiro e Corinthians. Isso que dá ficar tanto tempo fora de seu país. Esquece como as coisas funcionam.

"O torcedor tem direito de torcer no campo, na arquibancada. A partir do momento em que vai ao nosso treino, ele perde a razão", disse Ronaldo.

Desde que o craque retornou para o Brasil para se integrar ao timão, sua relação com a torcida esteve as mil maravilhas. Isso porque o clube, que acabava de voltar à elite do futebol brasileiro, conquistou o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil de 2009. 

Mas, depois de um desclassificação no Paulistão desse ano de 2010, uma pífia atuação na Libertadores da América e uma situação de decadência no campeonato Brasileiro, a torcida perdeu a paciência e mostrou a verdadeira face que estava escondia há quase três anos.

Dias atrás, Ronaldo andou dizendo que um amor entre ele, o clube e a torcida se construiu de forma contundente e que dificilmente se acabará. Se continuar nessa toada e o Brasileirão escapar, o que caracterizaria um ano de centenário pra lá de amaldiçoado, tenho lá minhas dúvidas se essa relação de amor permanecerá viva no coração de Ronaldo, Corinthians e a torcida Fiel...

O Corinthians enfrenta daqui a pouco, no Brinco de Ouro da Princesa, o Guarani e Ronaldo é presença garantida na equipe alvinegra.

Foto: GloboEsporte.com

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Clima pesado no Timão

A torcida do Corinthians não aguenta mais a situação que o clube se encontra, e olha que nem é tão complicada assim, já que o time ocupa a terceira colocação e está a apenas 5 pontos do líder. O fato é que o timão perdeu a liderança e não vence há 5 partidas. Se continuar nessa toada, até a classificação para a Libertadores pode estar ameaçada. Nesta tarde torcedores revoltados marcaram presença no CT do clube para um protesto. Veja:


O clima esquentou no CT corintiano e Souza foi o principal alvo durante o protesto


Foto: Uol



quinta-feira, 14 de outubro de 2010

A mesma velha história...

Outro estádio de grande porte corre riscos de não participar da Copa do Mundo de 2014, que será sediada no Brasil. Dessa vez o alvo de exigências insanas é o Beira-Rio, casa do Internacional e palco de espetáculos do futebol no Rio Grande do Sul.

A Fifa, entidade maior do futebol mundial, anunciou nesta quinta-feira que o estádio colorado terá de sofrer algumas transformações, além das reformas previstas, para poder ser sede de jogos importantes no próximo Mundial.

A exigência agora é o rebaixamento do gramado em até 1,5 metro, para que a visualização do campo seja melhor aos torcedores que assistirem às partidas nas cadeiras inferiores.

A diretoria do Inter já havia informado à entidade esportiva que tal reforma seria impossível, já que o estádio não leva o nome de Beira-Rio à toa. Ele fica à beira do Rio Guaíba e o local onde está situado foi aterrado para que ele pudesse ser construído alí. Ou seja, qualquer escavação faria do gramado verde uma imensa piscina Olímpica. Talvez resolvesse o problema para a Olimpíada de 2016 (risos).

Brincadeiras à parte, o fato é que o Inter terá de ter muita lábia e jogo de cintura, pois precisará do apoio da CBF e do Comitê Organizador Local, cujo presidente é um só: Ricardo Teixeira.

E o "ditador" do futebol costuma guardar rancor de clubes que se opõem às suas regras e às suas ordens. Lembrando, inclusive, que o Internacional foi uma das equipes que votou na chapa de oposição à que ele (Ricardo Teixeira) apoiava para presidente do Clube dos 13.

Para legitimar o que estou falando, basta ver o preço alto que o São Paulo está pagando por peitar o "Sr. dono do mundo". O castigo foi o veto do Morumbi, depois de cinco novos projetos apresentados, para sediar a abertura do evento.

Por outro lado, a dignidade, a honra e hombridade são impagáveis. E é por isso que tenho imenso orgulho do São Paulo Futebol Clube. Foi o único clube que não abaixou a bola para o tal cartola.

Sobre o estádio do Inter, talvez o caso não seja apenas "birra", mas uma questão mais ampla e no mínimo desconfiavel. Por que será que apenas os clubes particulares estão enfrentando esses problemas? Entranho, não? É obvio que para "eles" construir um estádio novo é muito mais interessante. Os motivos? Preciso mesmo dizer? acho que não. Estamos todos cansados de saber como as coisas funcionam no nosso País.

Nos resta saber quais serão as cenas dos próximos capítulos de: "O Beira-Rio".

É bom que o torcedor colorado se prepare para uma notícia desagradável a respeito...

domingo, 10 de outubro de 2010

Adilson "pede pra sair"


Há cinco jogos sem vencer, incluindo o de hoje contra o Atlético-GO, por 4 a 3, fez o técnico da equipe, Adilson Batista, pedir demissão do cargo.

Resta saber quem será seu sucessor no comando da equipe alvinegra. As piadinhas na internet começaram. Alguns torcedores rivais estão sugerindo Ricardo Gomes, que não teve uma passagem feliz pelo São Paulo, ou Dunga, que foi muito criticado por todo o Brasil após a pífia atuação da seleção Brasileira na Copa do Mundo.

Quem deverá ser o novo comandante do Timão. Dê sua opinião!

Foto: Lance

Cruzeiro bate Flu e assume liderança

Reviravolta na tabela do Campeonato Brasileiro.

No duelo dos primeiros colocados, o Cruzeiro bateu o Fluminense por 1 a 0 e assumiu a liderança da competição. Como eu havia dito nesta semana, é um campeonato muito parecido com o do ano passado. A impressão é de que ninguém quer ser campeão. O tricolor carioca deixou escapar, em várias oportunidades, a chance de disparar na tabela. O mesmo já aconteceu com o Corinthians quando ainda era o primeiro colocado.

Por falar em Corinthians, a equipe de Adílson Batista perdeu mais uma. E desse vez para o Atlético Goianiense, por 4 a 3. Foi um jogão de bola. Os alvinegros abriram o marcador, mas o Atlético-GO virou para cima dos donos da casa. O placar chegou a 4 a 1 para os visitantes. Mesmo com um a menos (Lenadro Castán foi expulso), o timão pressionou e diminuiu. A partida terminou em 4 a 3.

A última corintiana foi há cinco partidas, contra o Santos, no Pacaembu. Hoje, com 49 pontos, ocupa a terceira colocação e vê o título ameaçado, embora ainda seja um dos candidatos à conquista.

No jogo entre Botafogo e Palmeiras, prevaleceu a quantidade de erros de cada equipe. Aparentemente, uma partida equilibrada, porém o fogão teve um pênalti desperdiçado por Loco Abreu ainda no primeiro tempo. A partida terminou em 0 a 0.

Na Ressacada, o Flamengo abriu 2 a 0 sobre o Avaí, mas não suportou a pressão e cedeu o empate. Final: 2 a 2.

Jogando em casa, o Goiás bateu o Vitória mas ainda continua correndo riscos de rebaixamento. Está com 28 pontos e é o vice lanterna. Já o Vitória, com a derrota, vê Z-4 cada vez mais perto. Está na 15ª colocação, com 31 pontos.

JOGOS EM ANDAMENTO NESTE MOMENTO:

Internacional X Atlético-MG
Ceará X Guarani

Lucas e Ricardo Oliveira: será a salvação?

O São Paulo venceu mais uma no comando do técnico Paulo César Carpegiani. A equipe do Morumbi foi ao Prudentão encarar o Grêmio Prudente, último colocado na tabela, e levou a melhor, vencendo por 3 a 2 numa partida emocionante.

A princípio, por se tratar de uma equipe que ocupa a lanterna da competição, imaginei que o jogo seria fácil para o São Paulo, que não está ainda 100% mas que tem muito mais estrutura e camisa que a equipe do Prudente. Errei.

Foi um jogaço disputado acirradamente até o momento em que o árbitro apontou o centro de campo e encerrou  o confronto. 

O novo técnico tricolor já mostra suas características na equipe. Preocupado com a pouca produtividade dos atacantes e com a falta de um meia-armador, Carpegiani resolveu escalar o Tricolor com  quatro homens de frente.

No gol, Rogério Ceni, claro. A dupla de zaga foi composta por Alex Silva e Miranda. Na lateral não houve novidades: Jean na direita e Richarlyson na esquerda. O meio de campo teve Rodrigo Souto e o jovem Casemiro, que fizeram forte marcação, fechando o setor. Na frente, quatro rápidos atletas: Marlos e Lucas, caindo pelos lados, e Ricardo Oliveira e Fernandinho enfiados na área adversária.  

Deu certo. A equipe ficou mais leve e o ataque voltou a balançar a rede com eficiência. O torcedor gostou dessa formação, já Rogério Ceni diz que pode ser arriscado. "É uma característica do treinador que pode ser mais eficiente, mas deixa o setor defensivo um pouco mais desguarnecido. Em alguns momentos pode ser arriscado", disse o capitão Tricolor logo após o final da partida.

O sinal de que haveria emoção começou logo aos 3 minutos de bola rolando, quando Marlos fez boa jogada pela direita, deixando Lucas na cara do gol que, por pouco, não abriu o placar. Seria um golaço, nem tanto pela finalização, mas pela jogada trabalhada.

A marcação forte não foi empecilho para as duas equipes que não se limitaram a defender. E foi aos 9 que a rede balançou pela primeira vez. O árbitro assinalou uma falta para o São Paulo do lado esquerdo do setor ofensivo. Rogério Ceni ameaçou subir para bater. Olhou bem, analisou e, sabiamente, sabendo que pela distância o risco de não marcar é maior, preferiu deixar para Ricardo Oliveira.

Ricardo Oliveira e Lucas: entrosamento até na comemoração
Pela posição, o ideal seria um cruzamento dentro da área do Grêmio, buscando a cabeça de um dos jogadores são-paulinos. Ricardo olhou, analisou, estudou e, de repente, chutou forte para o gol, encontrando o ângulo direito do goleiro Giovanni que nem sequer teve tempo de pular na bola.

Após o primeiro gol são-paulino, a partida esfriou e as duas equipes passaram a tocar a bola, mas sem muitos lances que levassem perigo aos gols de Ceni e Giovanni.

Mas 33 minutos, após o chute forte de Adriano Pimenta e boa defesa de Rogério Ceni, Wesley, que estava sozinho no bico da pequena área, empatou para o Prudente, incendiando novamente a partida.

Felicidade e tristeza em menos de 1 minuto para a equipe anfitriã. Logo na saída de bola do São Paulo, Lucas, o novo maestro Tricolor, dá um passe açucarado para Ricardo Oliveira que, de primeira, sem sequer precisar dominar a bola, chuta no canto esquerdo e coloca o São Paulo novamente à frente no marcador.

Ainda no primeiro tempo, Lucas já era considerado o homem do jogo. 

O início da segunda etapa continuou forte. Já com Fernandão e Carlinhos Paraíba, substituindo Fernandinho e Marlos, respectivamente, o Tricolor encontrou o caminho do terceiro gol num contra-ataque fulminante. Lucas recebeu a bola pelo lado direito, fintou quatro jogadores e deixou, mais uma vez, Ricardo Oliveira na cara do gol, que enfiou uma bomba e marcou o terceiro dele na partida. O gol da vitória.
 

A PERSEGUIÇÃO CONTINUA

O jogo estava bom. Nenhuma falta dura, com as duas equipes se respeitando e assim a partida caminhava para um espetáculo sem manchas. Até que o árbitro Rodrigo Martins Cintra, as 19 minutos do segundo tempo, assinalou um pênalti inexistente a favor do Grêmio Prudente, ou melhor, um pênalti "contra o São Paulo".

Aliás, isso tem sido normal em jogos do São Paulo. Cartões desnecessários, expulsões duvidosas, pênaltis inexistentes, enfim, a perseguição está cada vez mais evidente. Lamentavelmente, isso, em pleno século XXI, acontece no futebol.

Willian se preparou para a cobrança, evitou olhar para Ceni, que tentava dispersá-lo, e chutou no alto. Bem no alto. Tão alto que a bola quase foi parar na arquibancada. Um chute grotesco.

PODERIA TER SIDO MAIS...

Enquanto isso o Tricolor apenas administrava a partida e por duas vezes poderia ter ampliado o placar. A primeira delas foi quando Ricardo Oliveira ficou de frente com Giovanni, mas não aproveitou a oportunidade. Lamentou demais. Realmente era um daqueles que chamamos de "gol feito".

A segunda oportunidade veio aos 32 minutos. Mais uma vez Lucas fez boa jogada, cruzando perfeitamente para Ricardo Oliveira, que cabeceou nas mãos do goleiro advesário. Aliás, parece que Lucas e Ricardo começaram a se entender. O garoto é o novo homem de ligação. Tem uma visão de jogo incrível, é habilidoso e inteligente. Tudo que Ricardo Oliveira precisava para voltar a fazer seus gols: um "garçon".

Nos acrescimos, aos 46, Wesley diminui par o Grêmio Prudente, fechando o placar em 3 a 2 para o São Paulo.

Resumindo, foi um jogo muito bom de assistir, ressaltando que não foi o Grêmio que jogou mal, mas o São Paulo que atuou muito bem na partida.

Mesmo com a vitória, o Tricolor do Morumbi não saiu do 10º lugar, mas já apresenta uma mudança positiva no elenco. É o "efeito Carpegiani".

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Vacilo deixa líderes estagnados na tabela

A sensação que tenho é de que veremos um final de Campeonato Brasileiro semelhante ao do ano passado, com surpresas no que diz respeito à conquista do título.

Em 2009, São Paulo e Palmeiras tinham o título na mão, mas deixaram escapar nas últimas rodadas.

O tricolor precisava de duas vitórias das quatro últimas que disputou. Venceu apenas uma e viu a Taça cair no colo do Flamengo. Já o Palmeiras, com o Muricy no comando, além de não se sagrar o campeão, ficou de fora da Libertadores de 2010.

Neste Brasileirão de 2010, quem comanda a primeira colocação é o Fluminense, liderado pelo Muricy, o mesmo que treinava o verdão no ano passado. Na sua cola está o Corinthians, com apenas três pontos atrás do líder.

Na rodada de ontem o Flu levou um verdadeiro chocolate. Perdeu para o Santos por 3 a 0, e pior, dentro de casa.

Minutos depois do encerramento do jogo no Engenhão, o Corinthians entrava em campo, nas Sete Lagoas, em Minas Gerais, para encarar o Atlético-MG.

Era o momento de o Timão aproveitar e encostar de vez no tricolor carioca, mas a apatia e a falta de atenção, principalmente no segundo tempo do jogo, fizeram com que a equipe de Adilson Batista não saísse do lugar na tabela.

Paulinho até abriu o placar para o Corinthians, numa falha do goleiro Renan. Mas na segunda etapa o Galo acertou a marcação e explorou as laterais, obrigando o Alessandro, lateral direito alvinegro, a defender mais do que atacar. Não durou muito e a equipe de Dorival Júnior virou para cima dos visitantes (2 a 1). Essa foi a segunda vitória do treinador no comando do time.

Agora é a hora do Cruzeiro aproveitar o momento. A equipe mineira vai ao Serra Dourada enfrentar o Goiás. Com 48 pontos na tabela, se vencer esta noite chegará aos 51, passando o Corinthians e assumindo a segunda colocação, ficando apenas um ponto atrás do líder Fluminense.

Isso poderia ter acontecido já na rodada passada, quando o Timão empatou com o Ceará, no Pacaembu. Porém a Raposa também não conseguiu vencer. Parou nas mãos de Neto, jovem goleiro do Atlético-PR.

Por falar em Ceará, essa equipe tem sido uma pedra no caminho dos grandes. Ontem, jogando no Castelão, arrancou três pontos do Internacional. Quem diria...

Na Arena Barueri, uma estreia positiva. Paulo César Carpegiani iniciou sua jornada com o pé direito e viu o São Paulo bater o Vitória, por 2 a 0, numa partida em que o clube paulista não deu a menor chance para o adversário.

Não é possível saber se a reação é definitiva, mas já podemos dizer que o clima é diferente no Morumbi.

A chance de uma classificação à Libertadores ainda é remota, mas o Tricolor pode pelo menos terminar o campeonato de forma mais digna. Uma quinta colocação não estaria de mal tamanho, levando em consideração a pouca produtividade da equipe na competição.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Enfim, Luxa aceita proposta e assume Mengo

Depois de um dia inteiro de suspense, eis que Vanderlei Luxemburgo resolve aceitar a proposta do Flamengo e assume o comando da equipe carioca.

O contrato do novo treinador tem validade até o fim de 2012, quando termina a gestão de Patrícia Amorin, presidente do clube.

Depois de uma boa conversa, Luxa conseguiu convencer a diretoria rubro-negra a contratar pelo menos dois de sua enorme equipe (geralmente são mais de 6 integrantes): o preparador físico Antônio Melo e o auxiliar Antônio Lopes Junior, filho do técnico Antônio Lopes, serão os homens de confiança do treinador.

Essa é a terceira vez que Luxa comanda o Flamengo. A primeira, em 1991, teve uma passagem discreta. Na segunda, em 1995, chegou à Gávea com status de campeão, já que havia conquistado os bicampeonatos Brasileiro e Paulista (92 e 93) pelo Palmeiras.

À época, o que ele não esperava era encontrar, logo de cara, o tetracampeão Romário, que também chegava ao clube como uma das maiores estrelas da equipe. E aí a vaidade falou muito mais alto. Um briga de egos fez com que Luxa optasse por sair do Mengo.

Hoje, em situação não tão favorável, já que há poucos dias foi demitido do Atlético-MG por não conseguir estabilizar a equipe numa posição confortável, Luxa terá a difícil missão de levantar o Flamengo, que ocupa a 15ª colocação e corre sérios riscos de entrar na zona de rebaixamento. 

Competência ele tem, e isso seu currículo é quem diz. Mas há tempos Vanderlei Luxemburgo não passa de mero treinador sem destaque. Há quem diga, inclusive, que seu desempenho de treinador caiu muito depois que ele resolveu virar empresário, ou manager, como foi rotulado pela imprensa, do futebol.

Luxa está pegando a mesma "bucha" que Carpegiani está pegando no São Paulo....

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Acabou...

Silas é demitido do cargo de treinador do Flamengo após uma sequencia ruim: apenas 1 vitória em 10 partidas que esteve no comando da equipe carioca.

Na verdade, a ideia da diretoria era mandar Silas embora há pelos menos um semana. Quem segurou a barra do treinador foi o Zico, até então diretor executivo do Mengo.

Com a saída do Galinho, a permanência de Silas ficou comprometida. Aliás, a diretoria já havia decidido sua demissão desde sexta-feira, véspera do clássico contra o Botafogo, mas preferiu esperar para não abalar psicologicamente os jogadores.

Para o cargo que fica vago, os cartolas flamenguistas devem buscar Vanderlei Luxemburgo, que está desempregado há duas semanas.

É provável que Luxa aceite. Vamos aguardar. 

Resultado da enquete

A enquete sobre qual o técnico que o leitor gostaria de ver no São Paulo (Luxemburgo, Silas, Zico ou nenhum dos três) teve de ser conclída antes da data prevista (05/10/2006) devido a contratação de Paulo César Carpegiani neste domingo de eleições no qual não se esperava movimentação no futebol. Segue abaixo os resultados:

1º: Luxemburgo - (66% dos votos)
2º: Nenhuma das opções - (22% dos votos)
3º: Zico - (11% dos votos)

Lembrando que não houve um voto sequer para o técnico Silas.

Obrigado e continuem votando nas próximas enquetes.

domingo, 3 de outubro de 2010

Coragem: Carpegiani é o novo técnico do São Paulo

Nem Luxemburgo, nem Zico, nem Silas, nem quem quer que seja. Paulo César Carpegiani é o novo treinador do São Paulo Futebol Clube. Acredite.

No começo da sexta-feira eu havia dito isso em primeira mão, quando a imprensa de São Paulo nem sonhava com isso. E não estou dizendo que é furo jornalístico meu, longe disso. Um leitor deste mesmo blog havia me informado que a notícia sobre a negociação estava rolando nas ruas paranaense. Teve gente que disse que eu estava louco.

O anúncio aconteceu hoje, no site oficial do Atlético Paranaense.

Uma atitude bastante ousada de Carpegiani, que deixa o clube do Paraná na quinta colocação, com reais chances de classificação à Taça Libertadores da América de 2011, para assumir uma equipe afundada na crise e que deve brigar para não cair neste Brasileirão.

Carpegiani se despede amanhã de manhã do Furacão, pois na parte da tarde já se apresenta no Tricolor do Morumbi.

Juvenal Juvêncio está soltando rojões. Primeiro porque trouxe um comandante que já passou pelo clube há alguns anos. Segundo que conseguiu um técnico cujas características se encaixam perfeitamente no perfil que o clube buscava. Sem contar que escapou da pressão e da responsabilidade de ter de trabalhar com Vanderlei Luxemburgo.

O novo treinador deve enfrentar o Vitória, na próxima quarta-feira, na Arena Barueri.

Será que Carpegiani se arrependerá? Será que o São Paulo deslancha? Quais serão os futuros de São Paulo e Carpegiani?

Rodada dos empates

A 27ª rodada do Campeonato Brasileiro teve apenas quatro vitórias nos dez jogos que aconteceram: 

A primeira foi com o Vasco que, jogando em casa, virou para cima do Goiás e venceu a partida por 3 a 2. O jogo foi bom. Esse foi o único jogo na sexta-feira.

As outras três vitórias ocorreram neste sábado: O Grêmio foi ao Barradão e atropelou o Vitória, por 3 a 0, e já subiu para a 8ª posição, com 39 pontos. 

Com o mesmo placar de 3 a 0 o Internacional passou pelo Guarani, no Beira-Rio, e chegou aos 44 pontos, ocupando a quarta colocação na tabela. Fiquem de olho no Inter.

Quem realmente surpreendeu foi o Atlético-MG, que foi ao Serra Dourada e, mesmo depois de ver o Atlético-GO duas vezes na frente no marcador, virou a partida e venceu por 3 a 2. Mas ainda continua na zona de rebaixamento, abaixo justamente do clube Goiano.

Já as outras seis partidas terminaram empatadas. Algumas de modo bastante frustrantes, principalmente nos clássicos.

Na Vila Belmiro o Santos recebeu o Palmeiras. O começo agitado dava a entender que teríamos um grande espetáculo, principalmente porque o Neymar andou prometendo que jogaria o seu mais maravilhoso futebol, enquanto, pelo outro lado, o Palmeiras está numa ascensão incrível.

Mas o jogo foi cheio de faltas, truncado e sem nenhuma emoção. Kléber abriu o placar para o verdão e Danilo fez contra, deixando o placar igual. Final: 1a 1.

No Rio de Janeiro, Botafogo e Flamengo se encontraram. O Mengão estava melhor na partida, mas foi o Fogão quem abriu o placar, aos 35 minutos, com Lúcio Flávio. Um verdadeiro balde de água fria para o Flamengo que vem de uma tremenda "fria" há tempos.

No segundo tempo, a chance do empate veio com o pênalti marcado aos 30 minutos da etapa complementar. Petkovic foi para a cobrança e o goleiro Jefferson praticou uma belíssima defesa, lembrando o Dida em sua fase esplêndida, mas no rebote a defesa botafoguense cochilou e Léo Moura balançou a rede. Final, igual em Santos, 1 a 1.

O líder Fluminense também decepcionou. Foi ao Prudentão encarar o fraco Grêmio Prudente e, aos 33 do primeiro tempo, Rodriguinho colocou o Flu na frente. Mas cedeu o empate aos 27 do segundo tempo com um gol de Willian. Mais um placar terminado em 1 a 1.

E o Corinthians mais uma vez deixou escapar a oportunidade de encostar no líder. Jogando em casa, tomou um verdadeiro baile do Ceará, que beira a zona de rebaixamento. A equipe visitante abriu 2 a 0 sobre os anfitriões. O timão só diminuiu aos 25 minutos do segundo tempo, com Paulinho. E teve uma tremenda sorte que a zaga do Ceará falhou e o goleiro ficou indeciso se pulava ou não na bola que veio da cobrança de falta de Defederico. Final: 2 a 2. 

Por falar em oportunidade de encostar, se o Cruzeiro tivesse vencido o Atlético-PR, na Arena do Jacaré, teria ido a 50 pontos e assumido a segunda colocação, já que o Corinthians possui 49 pontos. Mas os chutes dos atacantes cruzeirenses pararam nas mãos do grande goleiro Neto, que defendeu até pensamento.

Agora, a pior partida da rodada foi entre Avaí e São Paulo. Diferente do que o Lucas, atacante do tricolor, me disse há algumas horas, não vi raça nenhuma da equipe paulista. Pelo contrário. Vi um jogo digno de duas equipes de várzea. Muitas faltas, muitos erros de passe, poucas finalizações e erros grotescos de arbitragem. Resumindo, algo muito difícil de assistir.

Mais uma vez o São Paulo foi prejudicado por erros de arbitragem que, na minha opinião, são frutos de uma briga intensa entre o clube paulista com a "poderosa" CBF. Mas, independente disso, se o São Paulo fosse competente, arbitragem nenhuma tiraria seus três pontos. Ou seja, a má arbitragem que vem perseguindo o tricolor não é desculpa para a terrível atuação da equipe. 

No caso do São Paulo é falta de vergonha na cara!

sábado, 2 de outubro de 2010

Dia de festa no Morumbi

No dia 02 de Outubro de 1960 acontecia o jogo de estreia do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, o Morumbi, templo sagrado do São Paulo Futebol Clube. A partida foi contra o Sporting Lisboa em jogo amistoso. E o estádio começou com o pé direito: O Tricolor venceu por 1 a 0, com gol de Arnaldo Poffo Garcia, mais conhecido como Peixinho.

Mesmo com o estádio ainda inacabado, a torcida são-paulina compareceu em peso, lotando o Morumbi com pouco mais de 56 mil pagantes. À época, recorde de público em amistosos.

Mais de 56 mil pagantes no jogo de inauguração
Hoje, almocei com meu sogro, o Sr. Brenno Silveira, um são-paulino apaixonado com histórias sensacionais sobre um dos clubes mais importantes do país. Na mesa do restaurante, apreciando a   deliciosa gastronomia de São Paulo, em Moema, um dos assuntos foi os 50 anos de existência do Morumbi que se comemora hoje.

"Estive na inauguração do Morumbi e presenciei a vitória do São Paulo sobre o Sporting Lisboa. Estava lotado. Foi tudo muito bonito", disse seu Brenno com muito orgulho. "Fui a muitos outros jogos do São Paulo, mas esse é um dos que jamais esquecerei", completou.


Estádio lotado para a final da Libertadores de 2005: Deu SPFC
O estádio cresceu acompanhando a evolução do clube, que se tornou uma potência no futebol brasileiro. Desde 1935, ano de fundação do Tricolor, não há nenhum outro clube que o ultrapasse em número de títulos conquistados. Aliás, o São Paulo foi o primeiro a conquistar 6 títulos brasileiros (77-86-91-2006-2007-2008) e o único brasileiro, até o memento, a erguer três troféus da Libertadores da América e do Mundial de Clubes (92-93-2005).

De lá para cá, o São Paulo pôde dar a volta olímpica inùmeras vezes nas conquistas de títulos como Campeonato Paulista, Campeonato Brasileiro, Taça Libertadores da América,  Supercopa, dentre outros tentos. Mas o estádio não foi palco de glórias apenas do Tricolor. Corinthians Palmeiras e Santos cnquistaram diversos títulos nos gramados do "Cícero Pompeu de Toledo".

O Morumbi era um dos estádios cotados para sediar a copa de 2014, que acontecerá no Brasil, mas, devido à politicagem que assombra cada vez mais o futebol, foi vetado e descartado pela CBF e pela FIFA. Embora estejamos no século XXI, a regressão é evidente dentro da esfera esportiva no País. Lamentavelmente.

Independente de Copa do Mundo, o São Paulo é um clube do qual me orgulho principalmente por ser o único que bate de frente com os grandes mafiosos. Merece os parabéns por ter uma estrutura diferenciada e digna de respeito.

PARABÉNS AO ESTÁDIO DO MORUMBI PELOS SEUS 50 ANOS DE VIDA.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Juvenal Feliz... Será?

A saída de Zico, que exercia o cargo de diretor executivo do Flamengo até ontem, pode refletir em outros clubes, inclusive de outros estados: O São Paulo Futebol Clube é um deles.

Isso porque a situação do técnico Silas no Mengão está por um fio há alguns dias e Zico era o único que garantia sua permanência na equipe carioca.

O que o São Paulo tem haver com isso?

Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, disse ontem aos jornalistas, quando retornava do Rio Grande do Sul, que o São Paulo está em busca de um treinador.

A ideia inicial do presidente tricolor era trazer um técnico cujo perfil estivesse alinhado às características do clube. Ou seja, para diretoria, nomes como Dunga, Abel Braga, Paulo Autuori e até Dorival Júnior, foram cotados para o cargo.

Dunga estava mais do que certo e praticamente acertado com o Tricolor. Mas a notícia vazou e uma manifestação da torcida contra o ex-treinador da seleção brasileira ganhou força, fazendo com que a diretoria desistisse.

Abel Braga e Paulo Autuori estão empregados e a multa rescisória de cada um é muito alta. A princípio estão descartados.

Dorival Júnior passou uma semana disponível no mercado e logo foi contratado junto ao Atlético-MG.

O único que restou foi Luxemburgo, que perdeu seu cargo após uma sequencia terrível de derrotas que levou o Atlético-MG à zona de rebaixamento. Esse, por sua vez, é odiado pelo presidente são-paulino e uma negociação seria uma tremenda surpresa. Porém, não é carta fora do baralho.

Mas, nesse momento, Juvenal Juvêncio tem motivos de sobra para comemorar. E não é pelo fato de o Zico estar desempregado, claro que não, mas sim por saber que agora os dias de Silas estão contados no time rubro-negro, podendo ser a salvação para o presidente são-paulino que está fazendo de tudo para não ter de trabalhar com Luxa.

Aliás, além de Silas, o próprio Zico seria uma opção com treinador. Pelo menos ele tem o perfil que J.J. procura.


Zico deixa o Flamengo

Nos últimos 12 jogos, apenas 1 vitória.

O técnico da equipe não tem conseguido dar padrão de jogo ao elenco e ainda arrumou encrenca depois de dar declarações provocativas aos atletas do clube.

Ocupa a 15º colocação e beira a zona do rebaixamento.

Para piorar, perdeu o diretor executivo nessa madrugada, um profissional competente e honesto, talvez o único nessas condições dentro do clube.

Estou falando de Flamengo!


Foto: Site O Globo

Além de toda crise que o clube enfrenta neste campeonato Brasileiro, nesta madrugada o diretor executivo Zico, o maior ídolo do clube, o "Pelé do Flamengo", deixou o cargo.

A notícia foi divulgada através de seu site "Zico na Rede".

Zico ficou no cargo durante quatro meses, o que considero tempo demais para uma pessoa honesta dentro de um clube que mais parece um ninho de cobras. Além de ter de suportar os tais "capitães" que se julgam donos do clube carioca.

O Galinho ainda pretende ir atrás judicialmente de pessoas que fizeram acusações a seu respeito.

A história de amor entre Zico e Flamengo poderá ter um final bastante dramático e a conclusão que chego é que são poucos os honestos que têm chance no futebol.


Veja a nota de Zico na íntegra


"No dia em que aceitei o convite para ser diretor-executivo de futebol do Flamengo fiz questão de me manifestar através do meu site oficial, que sempre foi minha voz, meu canal de comunicação com as pessoas que me acompanham. E não poderia ser diferente agora que venho comunicar minha saída do clube.

Considero nesse momento que não é possível fazer no Flamengo aquilo que eu gostaria. Percebo que a minha presença não tem sido favorável e, desde a minha chegada, vem causando o descontentamento de muitas pessoas. Não há condições para eu continuar.

Estou sendo atacado injustamente, principalmente através de meus filhos, que em nenhum momento se envolveram em nada que estivesse em desacordo com os conceitos éticos e morais que aprendi com meu pai. Minha vida sempre foi calcada no trabalho, no respeito e no embate franco diante dos desafios. Não posso permitir que esse duelo covarde continue a acontecer usando a minha família, que vem se desgastando nas últimas semanas.

Queria agradecer a Patrícia pela oportunidade de tentar fazer mudanças que considero importantes para o Flamengo, não apenas no futebol profissional. Meus planos seguiam pelas divisões de base, de onde eu vim, e vislumbravam a construção de um Centro de Treinamento - que sempre foi um sonho desde os tempos em que eu ainda jogava no clube. Espero que estas sementes não sejam desperdiçadas.

Tomar uma decisão como essas não é fácil. Mas espero que todos entendam que não posso carregar comigo a desconfiança de um dos setores mais importantes do clube, o Conselho Fiscal. E não há condições de debater com essas pessoas que estão a serviço de sabe-se lá quem ou o que, dispostas a jogar sujo e minar o próprio clube.

Quando aceitei o desafio de assumir o futebol do Flamengo, sabia das dificuldades e meu discurso era no sentido de uma atuação de consenso, unindo forças dentro do Flamengo. O objetivo era angariar o apoio de quem quisesse o bem do clube.

Não travo batalhas de poder e dinheiro, jamais fiz em nenhum lugar por onde passei. Minha arma na guerra sempre foi o trabalho, a transparência e a lisura com as quais segui conduzindo cada negociação que fiz ao longo desse período como dirigente. Minha vida sempre foi aberta a quem quisesse pesquisar e, se não consegui levar o CFZ do Rio à Primeira Divisão do Rio, muita gente sabe que foi também por não me curvar aos desmandos de quem comandava o futebol carioca.

Se eu cometi erros como diretor- e sou humano para isso – saibam que agi sempre no intuito de acertar e observando o que julgava melhor para o Flamengo. Em nenhum momento desonrei quem acredita em mim.

Gostaria de agradecer ainda a cada funcionário do clube que me apoiou nesse período. Infelizmente não vai ser possível cumprimentar um a um, mas espero que todos se sintam abraçados por mim. E dizer aos jogadores, a quem eu também agradeço pelo apoio constante, que eu confio na capacidade deles de superar essa situação.

Dediquei quase toda a minha carreira como jogador profissional ao Flamengo, centenário, histórico, de muitos ídolos e que me ajudou a ser quem eu sou hoje. Esse clube, onde me formei e me tornei um ídolo, precisa voltar a ser grande. O caminho da grandeza foi perdido não agora. Lamentavelmente é fruto de anos e anos de um sistema histórico incompatível com as coisas que eu acredito.

Para mim, esta quinta-feira foi um dia especial porque nasceu meu neto Antonio, mas ao mesmo tempo morreu no meu coração esse Flamengo de hoje que está representado por essas pessoas, algumas delas que sequer conheço e atuam dentro do clube como se fossem os donos.

Ao torcedor fica meu lamento e o maior agradecimento de todos. O que ouvi ao longo do tempo foi sempre apoio, incentivo, mensagens de força. Mas realmente, nesse momento sinto que a minha presença está prejudicando o clube. É preciso união e muita gente está mais preocupada em me tirar do cargo do que com o Flamengo. Portanto eu saio.

Para encerrar, quem me conhece sabe que as acusações levianas envolvendo a minha família e o CFZ não vão ficar no esquecimento. Faço questão de ir atrás judicialmente de tudo o que foi dito dentro e fora do clube.

Até a próxima!"