domingo, 4 de abril de 2010

Até tentei, mas...

Até queria ter visto a boa vitória do Corinthians sobre o Ituano, em São José do Rio Preto, por 2 a 1, mas infelizmente não deu. Queria ter visto também o massacre do São Paulo (5 a 0 sobre o Botafogo-SP), no Morumbi, mas também não deu. Ah! Também não pude ver o Santos, que venceu por 3 a 1 a equipe do São Caetano, no estádio Anacleto Campanella.

O motivo é simples: passei meu feriadão prolongado no litoral norte de São Paulo e tentei retornar após o almoço. Saí de lá por volta das 12h30, com intenção de chegar na capital no máximo às 15h30, mas fui surpreendido por um transito insuportável. Fiquei simplesmente 8 horas na estrada a caminho de casa. Acredite.

Quando percebi que não seria possível chegar a tempo de acompanhar a penúltima rodada da primeira fase do Paulistão, desencanei. Desliguei o rádio e pensei: "Vou esperar chegar em casa, aí ligo minha televisão e vejo todos os resultados". A ideia era fazer certo mistério comigo mesmo.

Em determinado momento do trajeto a São Paulo, o trânsito parou completamente, a ponto de ter ser necessário desligar o motor do carro. Por ironia do destino, olho ao meu lado esquerdo e, no carro que estava parelho ao meu, vejo um amigo chamado Cláudio Assumpção. Um são-paulino roxo que não pensou duas vezes para me dar a seguinte notícia:

- Grande Fernando, tudo bem?
- Grande Cláudio, tudo em paz, e você? retruquei.

E Cláudio não exitou em dizer:

- Estou bem, muito bem. Principalmente por causa do chocolate do tricolor.

Claro que neste momento não pude conter a euforia de perguntar tudo.

- Chocolate? Quanto foi a partida?
- Vencemos por um resultado de 5 a 0, fora o baile.

Depois disso, fiquei alguns segundos quieto, pensando o que poderia ter acontecido no jogo, o que fez o São Paulo para ter vencido com uma goleada tão elástica. Pensei comigo mesmo: "Será que o tricolor é que jogou muito, ou o Botafogo é que entregou a partida?"

Foi quando Cláudio interrompeu meu pensamento com a seguinte frase:

- Mas o Corinthians venceu o Ituano por 3 a 1, com gol de Ronaldo.

E aí perdi mais alguns segundos de pensamento imaginando: " Será que o Timão foi mais uma vez matador?"

Nenhuma dessas dúvidas eu esclareci com meu amigo que praticamente também não deve ter assistido à partida, mas sim escutado pelo rádio, porque se ele estava alí, no mesmo lugar que eu, não poderia ter assistido nem mesmo o 1º minuto de cada partida.

Para não perder um pouco do mistério, decidi não perguntar sobre o Santos. Por sorte, os carros começaram a andar e eu só tive tempo de mandar um abraço a ele (Cláudio).

Continuamos a seguir viagem, com uma vontade enorme de chegar rápido em casa para ver os gols da rodada e saber de quanto o Santos havia ganho seu jogo, já que seria impossível uma derrota dos meninos da Vila. Além disso, cheguei à conclusão de que não consigo ficar longe de futebol, mesmo quando eu tento. É, sem dúvida, meu destino.

Agora vou assistir alguns programas esportivos para ver todos os gols. Logo comentarei sobre os grandes de São Paulo.

4 comentários:

Wagner disse...

Fernando,
tivemos hoje um bom exemplo das críticas que são dirigidas ao São Paulo e a esse goleirinho que vcs têm.
No jogo contra o Santos, que vcs perderam - sim, vcs só perderam todos os clássicos mas continuam se achando o melhor time da América do Sul-, o goleiro Rogério Ceni, que pensa que é Jesus Cristo, que age como alguém que detém a exclusividade da ética no futebol, invocou uma verdadeira CPI sobre a paradinha do Neymar que resultou no primeiro gol do Santos.
Hoje (como outras tantas vezes), ele recorreu rigorosamente ao mesmo expediente, embora, infelizmente, tenha perdido o pênalti. Ceni lembra Sartre para quem o inferno são os outros.
Eu queria a sua opinião isenta e um post sobre isso: afinal de contas a ética do Rogério e dos sãopaulinos só vale para os outros? É por isso que vcs se acham o melhor time do mundo? É porque a regra vale para os outros e vcs ficam ensandecidos quando perdem um clássico na bola e aí recorrem ao expediente que vcs tanto condenam quando esse expediente é usado contra vcs?
Me explique, por favor, essa percepção de ética dos sãopaulinos e principalmente desse goleiro aposentado que defende o time de vcs.

Wagner disse...

Em tempo: absolutamente lamentável o comportamento dos jogadores do Santos, em especial das mulas evangélicas como Roberto Brum, no episódio da visita a uma instituição que atende crianças com paralisa cerebral. Uma pouca vergonha, maior até que a desse goleiro de vcs.

Fernando Richter disse...

Belmonte,

Desculpa, mas realmente acho que essa sua raiva com o São Paulo está te deixando cego em relação a futebol.

O pênalti cobrado pelo rogério Ceni na partida de hoje foi patético. Se você reparar, ele faz a paradinha e abaixa a cabeça, não vendo que o goleiro adversário percebeu que Ceni havia mudado de lado. Isso foi um erro grave.

Mas você tem sido o único a dizer que o Rogério Ceni criticou Neymar. Aliás, nem mesmo o Neymar disse isso que você afirma categoricamente.

Mas enfim, o SPFC não é o melhor clube da América, nem muito menos o melhor do Mundo como você sugere nos comentários e nos seus posts.

O SPFC "já foi" (TRÊS VEZES) o melhor da América e do Mundo, assim como o seu Santos já foi duas vezes também. Atualmente o melhor da América é o Estudiantes De La Plata e o melhor do mundo é o Barcelona!

Sobre Rogério Ceni, te digo uma coisa: Ele está numa fase boa debaixo das traves, mas mesmo que não tivesse, e mesmo sem dois braços, ele é melhor que muito goleiro que vemos pelo Brasil, inclusive melhor que os goeirinhos do Santos.

Aliás, conselho de amigo: Não se iluda muito com o Santos...

Abração.

Fernando Richter disse...

Esqueci de dizer que além disso, o Rogério assume seus erros. O contrário do que sempre falam por aí. Veja a declaração dele no final do primeiro tempo:

"A responsabilidade por este pênalti perdido é minha. Se o time não ganhar a culpa é minha, que poderia ter aberto o placar naquele pênalti" - resumiu Ceni. (SEGUNDO O SITE DA GLOBO)